22 de set de 2011

Gotas de azul

"É como se o céu de repente ficasse mais azul", disse a senhora de sorriso gentil.
Não é que eu desacreditei, mas achei simplesmente que o céu não precisava de mais azul, nesse lindo primeiro de primavera.
Ela não entendeu. Me disse que o azul seria diferente.
Pode ser.

Dois meses de espera pelas 20 gotas que prometem colorir o céu.
20 dias de prazo pra uma única cor, e a senhora de sorriso singelo nem imagina que eu consegiria me embebedar de azul em apenas um olhar.
Eu não desacreditei da senhora...mas por ter nascido assim, meio lilás, ainda acredito mais na despoesia que me diz que "pra encontrar o azul, eu devo usar pássaros".
Não se tratava de pintar o céu, em gotas tarjadas de preto.
Em todo caso, nessa duplicidade de meses, gotas e dias, eu vejo cisnes. E vai ver que terei neles a cumplicidade que as gotas me ajudarão a compor, enquanto empresto pro céu o único azul que eu conheço. A mesma cor, de um único olhar.

Nenhum comentário: