24 de nov de 2009

Tende piedade de nós


"Óh Deus, tirai os pecados do mundo!",
disse a senhorinha cantora de uma bonita catedral do Porto.
Glória a Deus ela cantava, com voz quase angelical.
Digo quase, pois não cabe aos homens serem anjos, principalmente na casa do Senhor.
Se o murmurar cansado do padre em nada me cativava a permanência,
a doce voz da senhorinha e a imensidão imponente da Morada Divina me prendiam ao banco.
A imponência, a muito já se sabe, intui fazer-nos sentir infinitamente pequenos.
É para nos dar a dimensão de nossa insignificância.
Entretanto, eu não me sinto pequena perante ao ouro que reveste as  pedras do interior, aos azulejos delicadamente pintados no lado de fora ou ainda, ao branco da batina.
Sinto-me impotente.
A mesma impotência que sinto ao ver a pobreza nos nossos faróis, e até nesta praça em frente à Catedral.
Aquela mesma (impotência), que se ensena sobre meu imaginar, e quase até sentir, da aflição dos pecadores em murmúrios de redenção aos anjos e padres. Pinturas de memórias azuis, nos azulejos do poder divino.

Andamos delegando a Deus funções deveras. Funções de homens, "à sua imagem e semelhança".

O meu Porto-seguro não encontro em nenhuma Catedral.
Ele está no instante, aquele, que não me deixa admirar em demasia a arquitetura do berço cultural ocidental.
Que não me deixa, em verdade em verdade vos digo, admirar demasiado a própria cultura.
Consigo me prender mais às folhas amareladas que anunciam o findar do outono.
Não darei moedas à coroinha anciã, assim como não as dou ao menino negro habitante dos faróis abaixo do equador.
Assim como não as dei para comprar o pãozinho regado à toxico da moça-senhora moradora da rua da Catedral.
Deus mora na minha casa e nela também moram muitos anjos.
A minha casa está bem longe daqui. Ela é onde toda a gente está, mas ao contrário do que diria Arnaldo, não é em todo lugar.

"There's no way like home", já dizia uma música qualquer.

Parque da Galeria de Arte Moderna Serralves, na cidade do Porto

6 de nov de 2009

Todas as cores

A atual Economia não compra meias coloridas
Ela é bastante cinza, preta, social
Engraçado esse termo, social
Vestir social é vestir-se bem, traje sério, de indivíduos comprometidos
Traje de seres sociais
Todos os dias, ao acordar, trajamos nossos seres sociais
Trajamo-nos a forma que melhor nos cabe para, talvez, caber em algum lugar
Ditamos o nosso ser de acordo com nosso almejado caber
O nosso ser social, apenas
O outro, o essencial, da essência, damos um jeito de colocar por baixo dos trajes, tratando-o como segunda pele
Então, munidos de nossas vestimentas, as duas, lá vamos nós, socializar
Durante os dias, úteis, comercializamos nossa sociabilidade
Nas noites, úteis também, sociabilizamos os rendimentos
E nos dias e noites já sem utilidade, despimos, sociavelmente ou não, nossos seres essenciais

A Glorinha Calil, Fantástica! consultora de moda, disse que a nossa moda fala de nós por si só
Pois eu acho que a moda é muda, cega e surda em si mesma...mas pode ver demais, ouvir de menos, e falar ainda mais, pela interpretação dos outros
Seres sociais

Minha colega disse-me sobre a evolução do pensamento do gênero Homo
Neuropsicologia
Psicologia Social
Um aspirante a psicólogo me perguntou porque eu andava a cursar Filosofia
Bio-ética, ele disse?
Não, não. Apenas uma tentativa de definir a própria ética, e com sorte, entender sua não existência

A Sociologia tentou, mas não entendeu as meias
A Economia já logo pensou no preço dos sapatos fechados, de salto, brilhantes, lustrados
A Psicologia analisou cada cor e o conjunto da obra, no pé-manequim
As Ciências da Educação e da Formação teorizavam tanto sobre a semântica, dialética, retórica e meiêutica, que nem sequer notoram as cores
A Biologia nem ao menos reconheceu as meias, já que andava descalço

Um professor deu a dica, comentou sobre a palidez do dia
Mesmo assim, as ciências não entenderam...

As meias coloridas, simplesmente, coloriam o dia
O meu.

Seres socíais, nem sempre, porém, sociáveis