6 de jun de 2011

Lá lá lá lá lá lá lá lá lá

Nós não queremos saber seu nome ou quanto tempo demorou pra chegar até aqui.
Queremos saber em quantas vezes, em quanto tempo você comprará seu domingo feliz.

E Escher se perguntava porque não representar as várias realidades de uma única.
E a gente se ilude com a verdade eleita, mais fácil ou difícil, dependendo da crença e da necessidade messiânica.
E vários foram os filósofos da verdade e da fé, e do amor, e da gentileza.
E vários são o devaniar de instantes, e de cousas todas.
E a gente se distrai, dispostos.
E quem sou eu pra destruir o fingidor eleito, credo, de cada um.
Nada por dizer, restando ainda o escutar, ou ler: fala...ou escreve.
É silêncio, de qualquer jeito.

Nenhum comentário: