27 de set de 2011

Hilst

"Aquele fino traço da colina
Quero trancar na cancela
Da alma. Alimento e medida
Para as muitas vidas do depois.

Curva de um devaneio inatingido
Um todo estendido adolescente
Aquele fino traço da colina
Há de viver na paisagem da mente

Como a distância habita em certos pássaros
Como o poeta habita nas ardências."

*****

"Carrega-me contigo, pássaro-poesia
Quando cruzares o amanhã, a luz, o impossível
Porque de barro e palha tem sido essa viagem
Que faço a sós comigo.Isenta de traçado
Ou de complicada geografia, sem nenhuma bagagem
Hei de levar apenas a vertigem e a fé:
Para teu corpo de luz, dois fardos breves.
Deixarei palavras e cantigas. E movediças
Embaçadas vias de ilusão.
Não cantei cotidianos. Só te cantei a ti
Pássaro-poesia
E a paisagem limite: o fosso, o extremo
A convulsão do homem.

Carrega-me contigo.
No amanhã."

****

"Costuro o infinito sobre o peito.
E no entanto sou água fugidia e amarga.
E sou crível e antiga como tudo aquilo que vês:
Pedras, frontões no todo inamovível.
Terrena, me advinho montanha algumas vezes.
Recente, inumana, inexprimível.
Costuro o infinito sobre o peito
Como aqueles que amam."

Nenhum comentário: