11 de fev de 2011

Ter sonho de outros, de alguns muitos tantos que se ama, gosta ou conheçe
Ter sonhos reais, simples ou até comuns, sonhos, apenas sonhos
De vida, empregos, prosperidades, vontades, pessoas, famílias
Filhos, maridos, esposas, casais de amigos, casais, casas, casulos, carnes

A crença no instante é como nó de vestido largo, que se aperta até o estralar da costura, para não cair.
Aperta como casca de uva na boca, doce pra não crer azeda.
Aperta como mãos que se beijam, olhos que não se calam.
Como corda de peão de criança, justinha pra fazer rodar
E roda, roda quanto mais madeira é, dura, seca, de metal na ponta.
Roda mais no alfalto liso que na calçada de pedra rústica
E na mão do menino roda leve, suave, embora de metal de ponta ainda seja.
Metal amalgamado, de liga, que parece duro, mas quando quente, já foi líquido.
Líquido que derramou em mim e solidificou, como rocha, que não quer quebrar, não quer sair, mas não que ficar.
Rocha que nem com água "sede", tanto bate, mas não fura, não molda, não muda.
Peso que em mim afunda, bate forte, em dupla, uma mais forte, outra mais muda.
Bate em noite e em dia, bate até me cansar doer e me desanimar, por não parar de bater.
Bate de ensurdecer, de transbordar, metal quente que ainda está, que é, que não findará de ser.
Se sonho de outros também fosse, gostaria eu de parar de bater.

Nenhum comentário: